Comportamento‎ > ‎

Abra o olho!

postado em 20 de dez de 2018 08:39 por ANA PAULA LOPES VIEIRA PAIVA   [ 20 de dez de 2018 08:40 atualizado‎(s)‎ ]

É notável como muitas vezes nos damos conta de coisas que faziam parte de nosso cotidiano e de repente deixaram de existir. Você se lembra do mimeógrafo? Da Barsa? E o telex? Ainda os encontramos por aí, mas a sentença de morte já foi decretada há muito. Eu poderia continuar enumerando uma série de coisas antigas, máquina de datilografar, papel carbono, normalista.

O que quero reforçar é o fato de que nenhuma dessas ferramentas e funções morreram da noite para o dia. Ao contrário das revoluções (muro de Berlim, Fernando Collor), que irrompem em movimentos rápidos, incisivos e são identificáveis cronologicamente, a maioria das coisas perdem sua importância aos poucos, mas só nos damos conta quando já é tarde. Quando já era.

Muitas empresas ferroviárias quebraram por não perceber a chegada do automóvel, das companhias aéreas. Só se deram conta quando o balanço anual ficou no vermelho. Mas o carro evoluiu aos poucos, o mesmo para os aviões. Não foram revoluções, mas pequenos avanços. Sistemáticos. Constantes.

O mesmo vale para nós, professores. Se você já se pegou um dia nessas divagações de "que fim levou" ou "de repente sumiu, né?", cuidado! Além de não estar planejando seu futuro, você não está percebendo o que está acontecendo no presente. E o presente, a princípio, passa lentamente, como nos dizendo "preste atenção! Depois será tarde".

Leia, converse, acompanhe os fatos, veja as mudanças no comportamento de seus alunos. A alternativa é ir perdendo aos poucos as oportunidades de sua carreira. Olha a LDB. Ela foi aprovada em 1996 com prazo até 2007.

O professor que não se recicla e não se atualiza vê, de repente, muitas portas fechadas à sua frente. Então, ele suspira e solta uma frase errada e mortal: "É culpa desse tal de neoliberalismo. No meu tempo..."

Seu tempo é agora. Extraia tudo que pode desse momento. Se não, quem vai sumir, desaparecer é você.

Texto extraído da Revista Profissão Mestre.

Comments